quinta-feira, 5 de maio de 2011

O IPÊ ROXO e a multiplicação dos glóbulos vermelhos



Esta árvore, além de linda, é milagrosa. Eu bebo chá de ipê roxo há muito tempo. Leiam isto...



Em 1967, o professor Walter Accorsi falou de suas pesquisas com o ipê roxo, determinando efeitos surpreendentes: o chá produzia um rápido desaparecimento das dores insuportáveis que costumam atormentar os pacientes com câncer e o número de glóbulos vermelhos multiplicava-se em curto período de tempo, criando um fornecimento muito melhor de oxigênio para o organismo através do metabolismo. Isto quer dizer que o ipê roxo combate os radicais livres que são os grandes vilões da medicina ortomolecular.




Já o professor Walter Lübeck descobriu, em suas pesquisas, que as tribos indígenas têm usado o poder medicinal do ipê roxo há muitos anos. Até mesmo os incas e astecas conheciam os poderes curativos desta árvore.


Descobriu-se que a estrutura da casca interna do ipê roxo possui, entre outros componentes, uma quinonina, cuja estrutura é parecida com a vitamina K, e tem efeito adstringente, ajudando no metabolismo do fígado na produção de protrombina e de várias substâncias que participam na coagulação sanguinea. Além disso, experiências indicam que ela participa da cadeia respiratória do sistema celular e, como resultado disso, melhora o nível energético através do fornecimento de oxigênio às células. Diante desse quadro, este componente tem propriedades antiinflamatórias e de dissolução de tumores.


Segundo o professor Walter Accorsi, administrado em pacientes com leucemia, em 10 dias havia uma melhora considerável do sangue.



O ipê roxo possui ação antimicrobiana, antiinflamatória, analgésica, antineoplástica, e protetor solar. Atua sobre a circulação, nas vias respiratórias (bronquite e asma) e no sistema gástrico (úlceras gástricas e duodenais). Ele também é depurativo, elimina toxinas, e aumenta os glóbulos vermelhos. É usado nos casos de reumatismo, feridas, eczemas, é anti tumoral e imunoestimulante (AIDS, mal de Parkinson).


Pode ser usado para gargarejos, inflamações das mucosas da boca e ulceração da garganta. Como atua na circulação, é ótimo para quem tem varizes, hemorróidas, úlceras varicosas e arteriosclerose.


Como fazer o chá


Coloque 1 colher de chá do pó da casca ou lenho duro em 1 xícara de chá de água em fervura. Coar. Tome 1 xícara 3 vezes ao dia.

Um comentário: